Inicial > Celebridades, verdades > A verdade sobre a filha de Jerry Lewis

A verdade sobre a filha de Jerry Lewis

Sei que parece estranho meu repentino interesse por Jerry Lewis, mas me sinto na obrigação de esclarecer a pergunta polêmica que eu lancei em artigo anterior: Por que Lewis não assumiu a paternidade de sua única filha, Suzan? Confesso que eu estava pensando que seria apenas uma atitude egoísta da parte dele, mas, ao perceber a verdade, preciso torná-la pública e te convido a ler este emocionante e esclarecedor artigo.

Lewis conheceu sua primeira esposa Patti Palmer em agosto de 1944. Ele tinha apenas 18 anos e Patti tinha 24 anos. Namoraram apenas dois meses e já se casaram em outubro do mesmo ano, ocasião em que Patti largou a carreira de cantora para dedicar-se ao lar. Dois anos depois do casamento, em 1946, nasceu o primeiro filho do casal, Gary Lewis. Em 1949 eles adotaram Ronald Steven ‘Ronnie’ Lewis. Foi também em 1949 que Lewis, então com apenas 23 anos e já pai de dois filhos, conheceu Lynn Dixon que foi apresentada a ele por Milton Berle. Lynn era uma bela modelo que encantou Lewis. Eles inciaram um caso que se tornou mais sério.

Segundo o Philadelphia Weekly, Lynn Dixon, já tinha sido casada e tido um filho, em meados da década de 1940. Mas seu casamento logo terminou e, na sequência, ela se envolveu com Lewis. Seu caso de três anos tornou-se um noivado quando Jerry deu a Lynn um anel e cogitou separar-se de Patti, porém ele não conseguiu se divorciar pelo fato da esposa ser católica. De fato, havia na época uma certa dificuldade em se divorciar e até hoje de se concretizar divórcios pela crença católica. Quando se concretizam, os fiéis sofrem uma espécie de rejeição. Sei disso pois conheço alguns católicos que se divorciaram e enfrentam problemas em suas vidas por conta da crença. Outras religiões são mais abertas. Aqui, um adendo importante: Trinta e um anos depois, Patti abriu mão de suas convicções religiosas, pediu o divórcio, uma grande (e contínua) indenização e declarou publicamente que Lewis era adúltero, demônio e outros predicados mais. Porém, como Terapeuta, preciso observar; se, aos cinco anos de casamento, ele pediu o divórcio porque encontrara outra pessoa com quem queria seguir e Patti lhe negou o pedido, como ela imaginou que seriam os próximos 31 anos de seu casamento?

Jerry e Patti ficaram casados por 36 anos

Enfim, naquela época, Jerry não teria conseguido o divórcio. Neste mesmo ano, Lynn engravidou (ou já estava grávida no pedido de casamento que não se concretizou, isso não está bem explicado). Em 3 de fevereiro de 1952, nasceu Suzan. Jerry, que estava em viagem promovendo seu filme que seria lançado “Sailor Beware”, pediu a Berle que visitasse Lynn Dixon no hospital em seu nome. Isso também não está bem explicado, mas parece que a partir daí, Lynn e Jerry se afastaram, ao menos, publicamente. Por não poder dar a Lynn uma união estável, Lewis preferiu afastar-se para que ela encontrasse alguém que a assumisse. Dois anos depois, Lynn Dixon, tornou-se a Sra. Uchitel, casando-se com um importante empresário, (Big Apple restaurateur and nightclub owner Hy Uchitel), mas que também teria envolvimento, com o crime organizado por intermédio de seu irmão Maurice. Uchitel registrou Suzan como sua filha.

Isso explica porque Lewis não a registrou, não é?

Sendo casado, sem possibilidade de divórcio, com a carreira em ascensão e ainda com um rival envolvido com a máfia, não tinha mesmo nenhuma chance dele se manifestar…

Mas, continuando, Suzan relatou ao Philadelphia Wheekly que Jerry Lewis “era uma presença frequente, embora irregular”, na sua infância. Lynn manteve a verdadeira identidade do pai biológico de sua filha em segredo de Hy, mas ela encontrou maneiras de reunir pai e filha. Quando Suzan tinha 2 anos, Jerry e Lynn a matricularam na Academia Americana de Artes Dramáticas. Quando os Uchitel passavam férias em Miami Beach, ficavam no elegante hotel Fontainebleau. Jerry também – é onde ele filmou  The Bellboy, em 1960.

Ainda segundo Suzan, em Nova York, eles organizavam discretas reuniões periodicamente. Afinal, eles socializavam nos mesmos círculos. E Lewis teria alugado um chalé ao lado do chalé da família Uchitel na praia para ficar mais próximo dela. Publicamente, enquanto isso, Jerry mostrou uma vida de casado feliz. Tendo mais quatro filhos com Patti.

“Ele era muito afetuoso. Ele me deu presentes, bonecas. E amei bonecas “, disse Suzan. “Ele queria uma filha, mas ele nunca poderia contar a ninguém que ele já tinha uma”.

Suzan teve uma ótima infância, foi cercada por muito glamour, estudou em ótimas escolas, frequentou a alta sociedade e casou-se com o francês Francois Minoret. Ela teve dois filhos com ele, em 1971 e 1979. Enquanto esteve casada e morando em Paris, Suzan alega ter encontrado Jerry Lewis. Ele estava se apresentando em Paris, ela descobriu onde estava hospedado e foi visitá-lo. Passaram um maravilhoso dia parisiense juntos. Esta foi a última vez que Suzan se aproximou dele.  Jerry a convidou para voltar a visitá-lo no dia seguinte, mas ela alega que os representantes de Lewis a impediram de vê-lo e disseram-lhe que “desaparecesse”. Eles disseram-lhe que sua semelhança com Jerry Lewis era muito impressionante e que seria impossível para ele deixar as pessoas saberem que ele era seu pai. Que seria “muito inconveniente”.

Em meados da década de 80, o casamento de Suzan decaiu, ela ficou anoréxica e afirma que seus sogros tentaram interná-la em um hospital psiquiátrico.

Lynn, sua mãe, por sua vez, divorciou-se de Uchitel, casou-se com um produtor de filmes e mudou-se para a Califórnia. Uchitel mudou-se para Miami Beach e se tornou um doente mortal. Ele morreria meses depois de Suzan voltar para os Estados Unidos, deixando seu casamento e filhos nascidos do seu casamento francês para trás.

Muitos anos se passaram e Suzan foi decaindo cada vez mais. Em 2008, houve esperança para uma vida melhor. Ela foi para a Filadélfia com o convite de um agente de celebridades baseado em Cherry Hill, N.J., que tentou publicar a autobiografia de Suzan, que eles planejavam chamar de Jerry’s Kid. Ele a colocou em uma casa no Nordeste. Ela apareceu em programas de TV, fez uma entrevista com Howard Stern e até uma reunião com seu meio-irmão, a ex-estrela do pop, Gary Lewis. Na ocasião foi feito um teste DNA em Suzan e Gary e foi comprovado 88.7% de chance de Lewis ser pai dela. Gary declarou que, para ele isso bastava, ele a considerava irmã dele. Até foram fotografados juntos.

Mas, como Lewis não se pronunciou, Suzan considera que não foi reconhecida e passou a perseguir a ideia de reencontrar Lewis, após vinte e cinco anos de separação. Ela relata uma história bem conturbada que não transcreverei. O resumo é que, na ânsia de reencontrar Lewis e com tantos acontecimentos controversos, ela acabou por ser uma moradora de rua, vagando ao redor de Roosevelt Boulevard, ocasionalmente passando a noite em uma cabana de papelão, aguardando na esperança de que um dia Jerry Lewis a reconhecesse como sua filha legítima.

Ela não sabia da morte de Lewis, ficou sabendo por um repórter, que a entrevistou mostrando seu cotidiano como moradora de rua. Agora a espera cessou, já que Lewis não a pode mais reconhecer, mas ela insiste em dizer que ele tem duas filhas ela e a outra adotada. E ainda exibe em seu celular a foto que mostra sua semelhança…

Todos que comentam estes fatos colocam Lewis como um monstro capaz de abandonar uma pobre criança, mas agora eu entendo. Ele foi nobre, preferiu abrir mão da paternidade para proporcionar uma vida mais digna tanto para sua filha quanto para a mãe dela. Além disso, ele arriscou a vida para acompanhar a filha durante a infância, fingindo ser apenas um vizinho gentil. Enfim, ele fez o máximo que pode para que sua filha não fosse tratada como bastarda e Lynn também tivesse um bom casamento. Se os caminhos conduziram as duas ao sofrimento, não se pode culpar Lewis…

De tudo isso, fica uma linda e triste história. E uma certeza que eu já tinha afirmado antes. Jerry Lewis perseguiu um amor que não pode viver. Isso é visível em seus gestos, seu olhar, no sorriso triste que passou a exibir quando não estava em cena. Nem Patti menos ainda SanDee.

Provavelmente Lynn ou uma pessoa que, talvez, esteja mais escondida do que essas outras histórias que são públicas. Ou talvez esteja tão claro que seja difícil perceber…

Saiba mais, em Inglês: clique aqui e aqui

Saiba mais em Português, clique aqui e aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: