Arquivo

Archive for the ‘verdades’ Category

A eleição que não tem fim (BolsonaroPresidente)

14 de novembro de 2018 Deixe um comentário

Bolsonaro foto pública Internet (acervo pessoal)

Desde que comecei a votar, acho que foi no final da década de 1970, é a primeira vez que assisto a uma eleição interminável. Uma imprensa corrompida, em sua quase totalidade, plantou notícias das mais descabidas e, o pior, segue tentando manter as aparências e as notas que plantou sem um único sinal de arrependimento. O adversário, por sua vez, continua aparecendo na mídia, opinando, inclusive sobre as escolhas do Presidente eleito. E, quando cito adversário, friso que, com ele, estão diversos “aliados” que, juntos, formam um coro desafinado, porém unido pelo mesmo ideal, atrapalhar o máximo que puder a nova gestão. Para atrapalhar também já se criou a “resistência”, em sua maioria formada por artistas, alguns que nem moram no Brasil e alguns defensores das invasões de terras como o caso de Boulos que, sendo filho de um médico que leciona na USP e parece ser referência em Infectologia, poderia tranquilamente ceder suas propriedades para os que tanto necessitam, deixando de lado as invasões, porém, segue decidido a ‘RESISTIR”. Vale lembrar que a “resistência” vai contra o povo de bem e o próprio país, já que promete dificultar bastante a iniciativa de tirar o país do atoleiro em que se encontra.

monumento-resistencia-setubal-portugal

Em meio a esta “resistência” em nome de uma democracia que nunca vivemos aqui no Brasil, tenta-se camuflar fatos importantes como a dívida que o Brasil tem até 2060, 80 % das empresas fechadas, insegurança pública, Saúde deficiente e Educação precária, incluindo uma doutrinação criminosa nas escolas e, em especial, em Universidades Federais onde, sob pretexto de “formar pensadores”, informam-se apenas a versão esquerdista dos fatos e transformam os jovens em marionetes do Sistema. Enfim, um país sucateado. Em paralelo, políticos corruptos, alguns que foram até terroristas no passado, são “vendidos” como pobres perseguidos, “presos políticos”. E há quem acredite nestas falácias…

Não bastasse tudo isso, surgem sites e páginas que satirizam a situação, alguns publicam notas tão bem produzidas que chegam a ser confundidas com verdades. E seus posts são compartilhados, viralizando. Da mesma forma, posts e vídeos de ameaças ou de planos da esquerda para minar o governo, que nem começou, também são compartilhados até pelos eleitores de Bolsonaro, como uma forma de “alerta”. Só que, além de não alertar nada, isso desgasta e desanima quem, de fato, quer um país melhor para todos.

A Imprensa e alguns que nela acreditam, depois de fracassarem na tentativa de mostrar o Presidente eleito como homofóbico (só defende a inocência das crianças), racista (casado com mulher parda, filha de nordestino negro, tendo seu melhor amigo, um negro, a amizade é tanta que ele é chamado “Hélio Bolsonaro”, sendo cuidado por enfermeiro negro, entre outros), fascista (são muitos os pontos que provam que ele não é fascista, o principal, por ser militar, tem que respeitar a hierarquia, não pode pregar um sistema que cultua um único líder centralizado, ou seja, fascismo é diferenciado das ditaduras militares porque o seu poder está fundamentado em organizações de massas e tem uma autoridade única.) seguem tentando provar que Bolsonaro é corrupto. Eu sempre pesquiso muito antes de afirmar algo. Eu pesquisei Bolsonaro, na ocasião em que foi esfaqueado. Entre outros feitos, ele apresentou mais de seiscentos projetos, todos pelo bem da população. E só dois foram aprovados porque ele não aceitou entrar no “esquema”. Ele foi processado por defender vítimas de estupro, latrocínio e homicídio, enquanto a acusadora (Maria do Rosário) defendia o assassino. Por ai, vai. Ele pode ser meio grosso, até ignorante em alguns pontos, mas ele é honesto, isso ele é. Se levarmos em conta o que a mídia publicou e continua publicando, de fato, ele é mais um. Mas, se procurarmos saber verdades, pesquisando por nós mesmos e buscando fontes confiáveis que divulguem os dois lados da questão e não como a maioria que mostra só o lado que interessa, teremos informações mais consistentes.

Estamos em um momento em que nosso país está sucateado e nosso povo não está tendo direito de sonhar com a melhora, tem que ficar justificando uma gestão que nem começou ainda, tem que ficar se preocupando com ameaças e uma grande torcida contra, antes mesmo da posse do Presidente, que deverá ocorrer em 1º de janeiro de 2019. Só a partir daí teremos ideia real do quanto poderemos melhorar nosso país, todos juntos, acreditando e investindo para o bem de todos. Se daqui a 4 anos, alguém disser que não gostou da gestão de Bolsonaro e sua equipe, tudo bem. Mas dizer isso dois meses antes dele assumir, não faz sentido.

Imprensa foto dreamstime

A imprensa, por sua vez, deveria anunciar, com bom grado, as diversas empresas que, motivadas pela eleição de Bolsonaro, já anunciaram investimentos no Brasil, para 2019. Porém, seguem anunciando justo o contrário. Da mesma forma, o Teleton que este ano teve arrecadação recorde, provavelmente pelo telefonema do Presidente e seu pedido público para que todos doassem, ao menos, cinco reais. Enquanto Sílvio Santos declarava que, em mais de vinte anos comandando esta arrecadação, foi a primeira vez que um presidente ligou para participar e colaborar nas doações. Que bom seria a imprensa anunciar isso, mas não! Está empenhada em anunciar que o recorde de arrecadação se deve ao fato dos artistas (os mesmos de sempre) terem participado…

Outro detalhe que precisa ser frisado: o Presidente eleito, por ocasião da campanha eleitoral, foi esfaqueado, passou por duas cirurgias delicadas e até hoje está usando uma sonda de colostomia. Pergunta se os mandantes já foram identificados e devidamente punidos… As investigações parecem estagnadas e ainda o tratam com ironia. A mais recente ironia, beirando a humor negro, atribui-se ao repórter e comentarista Valdo Cruz (mas quem é esse?) que teria comentado logo após uma entrevista com o Presidente: -“Os repórteres vão ter que se acostumar com o jeito Jair Bolsonaro de ser”. A qualquer momento, ele pode dizer: preciso trocar a fralda”. Isso me ofende pessoalmente porque meu pai, durante anos precisou usar sonda e ele foi uma das primeiras vítimas do medicamento falsificado (lembram-se disso?). Sabem o que é gastar fortunas com um medicamento que, na verdade, é só um placebo? E imaginam como é constrangedor, ter que andar com uma sonda que, além de incômoda, exala um cheiro desagradável sim!!! E, no caso do Presidente eleito, invés de atrair ao menos respeito (por ser um sobrevivente) da imprensa, atrair chacotas? Não conheço o tal Valdo e nem assisti ao que ele falou, confesso que captei este comentário de diversos posts em grupos. Em geral eu pesquiso muito, mas penso que deve ser verdade já que muitas pessoas estão comentando isso, afirmando terem assistido, até porque sei bem como a maioria da Imprensa se comporta de forma geral e como tem tratado Bolsonaro.

Estes ignoram (ou querem ignorar) que o país agoniza e deveria haver um maior comprometimento com a recuperação do país. Mas o receio de perder a “mamata”, a Lei Rouanet (artistas), a verba de mídia (veículos de comunicação), a maciota que se esvai, a “zona de conforto”… os move num movimento que, no meu entendimento, tende a dissipar por si só, por não ter consistência, não ter fundamento e por ir de forma contrária ao projeto de salvar o país. Se vamos conseguir salvá-lo, só o tempo dirá, mas posicionar-se contra até a tentativa de reestruturar o país, é mais do que ira, é a demonstração da insanidade. Só os muito tolos acreditarão na mídia daqui em diante. E que a tal “grande mídia” perca mesmo a zona de conforto, que escorregue ladeira abaixo, pagando por todos os releases que os “chefes de redação” jogaram no lixo sem sequer ler, por todas as descobertas ou notícias importantes para a população que não foram ao ar por interesses comerciais ou por esbarrar no “império”, por todas as mentiras e “fake news” que plantaram ao longo de tantos anos de desinformação da população. Agora que despenquem e, quanto mais espernearem, mais rápido despencarão… 

Foto: Divulgação (captada na Internet)

Enquanto isso, nós, cidadãos de bem, que queremos e lutamos por um país melhor e mais justo para todos, temos direito de comemorar a vitória, de aguardar por dias melhores, de voltar a sonhar com um futuro de paz e prosperidade. É bom receber mensagens dos mais velhos, (com seus setenta ou oitenta anos) mostrando suas relíquias (carros, comerciais e outras recordações) dos anos sessenta/setenta. É animador ouvir novamente os hinos que cantávamos nos pátios de nossos colégios em nossa infância. É bom saber que, agora, somos uma grande família, unida pelo mesmo ideal. A esquerda precisa entender que, durante mais de trinta, aguentamos todos os tipos de malignidade, tivemos desvios incalculáveis do dinheiro público, em todas as gestões, tivemos inversões totais de valores, ideias e ideais, tivemos todo tipo de crise, tivemos até racionamento de energia (Crise do Apagão, causada por falta de planejamento e investimentos em geração de energia que durou entre 1 de julho de 2001 e 19 de fevereiro de 2002, durante o 2º mandato de Fernando Henrique Cardoso, depois disso, outros apagões ocorreram com frequência e ainda ameaçam ocorrer porque nestes anos todos nada foi feito para resolver esta crise), e assistimos nosso país se deteriorar em todos os sentidos. Agora, um Presidente eleito pela maioria, tem todo o direito de assumir e conduzir o país de forma mais justa, honesta e sensata. O povo que o elegeu tem todo o direito de comemorar a vitória e esperar por dias melhores. As crianças têm direito a uma infância sadia e precisam aprender que o crime não compensa, que criminosos são julgados e presos e não podem, em nenhuma hipótese, ser tratados como heróis ou injustiçados. Os que gritam histéricos “vai estudar História” tem que se calar e dar lugar a quem “viveu a História” e a quer de volta porque foi a melhor época de nossa vida. Quem continua discordando e querendo “resistir” deve procurar outro lugar para viver porque o Brasil é dos brasileiros de bem que, independente de religião, raça ou poder aquisitivo, querem uma vida digna, um país respeitado, onde vale a pena viver, acreditar e investir.

Saiba mais, clique aqui  e clique aqui 

Anna Lou Olivier (Lou de Olivier) é Multiterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Especialista em Psicopedagogia, Especialista em Neuropsicologia, Bacharel em Artes Visuais, com Licenciatura Plena em Artes Cênicas e Magistério (Pedagogia). É também Psicanalista, Jornalista, Dramaturga, Escritora e Palestrante nacional e internacional. Pioneira da TV brasileira e da Música mundial, foi a primeira criança no mundo a gravar um vinil com apenas dois anos e nove meses e lançá-lo ao completar três anos. Também foi a primeira cantora a ter uma música censurada durante o Regime Militar, porém, entende que não foi uma “vítima da Ditadura”. Foi, sim, uma criança utilizada por um professor esquerdista para divulgar uma música de protesto. Hoje com 57 anos, Anna reconhece que, depois de diversas fases de vida, sem dúvida, sua melhor fase (assim como a de muitos brasileiros) aconteceu durante o Regime Militar. E, sempre comprometida com a verdade, busca trazer ao público, temas e abordagens não divulgadas pela “grande mídia”.

Saiba mais, acesse:
https://www.loudeolivier.com.br/ (Português)
https://www.loudeolivier.com/ (English)

Teleton tem arrecadação recorde com Bolsonaro e Silvio Santos

11 de novembro de 2018 Deixe um comentário

Silvio Santos e Bolsonaro Teleton 2018

Silvio Santos fala com Bolsonaro durante Teleton. Bolsonaro faz doação e pede a todos que também doem qualquer quantia ao Teleton que teve arrecadação recorde este ano, com mais de trinta milhões em doações.

 

O Telethon (Television Marathon) foi idealizado e comandado por Jerry Lewis, desde 1966, tornando-se uma marca internacional e símbolo de arrecadação para doação aos deficientes. Na década de 90, por iniciativa de Décio Goldfarb (presidente da AACD) foram adquiridos os direitos de realização do Teleton no Brasil para doação à instituição. Hebe Camargo, que era colaboradora da instituição há anos,comunicou a Silvio Santos sobre o projeto. A partir de 1997, Silvio passou a comandar a arrecadação e televisioná-la pelo SBT. Nesta edição de 2018, Silvio Santos falou ao telefone com  Bolsonaro, que realizou uma doação e pediu, no ar, que todos doassem qualquer quantia ao Teleton. que teve arrecadação recorde.  Sílvio, além de expressar seu desejo de ver Bolsonaro por oito anos na Presidência da República e, na sequência,oito anos com Sérgio Moro como Presidente, também expressou gratidão e admiração pela atiude de Bolsonaro, dizendo:  “Nesses vinte e poucos anos que apresento o Teleton, é a primeira vez que um presidente faz a gentileza de ligar para o programa”.

 

Assista ao vídeo contendo a conversa entre Sílvio Santos e Bolsonaro.

O Brasil está voltando a brilhar

2 de novembro de 2018 Deixe um comentário

Apesar do clima que criaram com uma névoa, uma ameaça, a volta da Ditadura e mais diversas desculpas e “resistências”, a confirmação da vitória de Bolsonaro, agora Presidente do Brasil, está tendo excelente receptividade do povo e das empresas (nacionais e internacionais) que já estão se manifestando sobre investimentos no Brasil.

Confira algumas delas:

 

Beiersdorf vai investir R$ 300 milhões na expansão de sua fábrica no Brasil, clique aqui

 

Grupo Kyly investirá 40 milhões em 2019, clique aqui

 

Murfit Kappa vai investir 25 milhões de dólares no Brasil, clique aqui

 

Jac:  Depois de ter suspendido o projeto na Bahia, em razão da crise econômica, a Jac Motors confirmou que iniciará a produção de modelos da marca chinesa em Goiás no fim de 2019, clique aqui

 

Smart investirá 700 milhões até 2012, clique aqui 

 

Dunlop investirá 153 milhões em fábrica em Curitiba, clique aqui

 

Setor portuário investirá 530 milhões em Santa Catarina, clique aqui

 

Condor investirá 40 milhões em construção de hipermercados em Santa Catarina, clique aqui 

 

Leroy Merlin investirá 300 milhões no país em 2019, clique aqui

 

Embaixador de Israel, Yossi Shelley,  visitou o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e apresentou um projeto para solidificar parceria entre os dois países. Shelley anunciou a intenção do governo de seu país de bancar a instalação, na região Nordeste, de uma usina piloto de dessalinização de água do mar. Clique aqui

 

Em transmissão ao vivo no Facebook, Luciano Hang (Havan) afirmou que irá investir 500 milhões na abertura de 20 lojas da rede em 2019 e atribuiu expansão à vitória de Jair Bolsonaro, clique aqui

 

Toyota investirá 1 bilhão em fábrica de Indaiatuba. este anúncio foi feito em 28 de setembro, antes mesmo da confirmação das urnas. Clique aqui 

 

E isso é só o começo… O Brasil está voltando a brilhar!!! É a  vitória!

 

E esta é uma vitória de cada um de nós que invadimos madrugadas na panfletagem, usamos nossa criatividade em mensagens escritas e vídeos, nem nos preocupamos como Direitos Autorais, importante era comunicar nossas mensagens para salvar nosso país.  Perdemos alguns amigos, convencemos outros, sorrimos, choramos, acreditamos e… vencemos!

Parabéns a você, a mim, a nós, ao Presidente Bolsonaro…

Parabéns para o nosso amado Brasil!

Depois da tempestade vem a bonança (ou será a resistência?)

29 de outubro de 2018 1 comentário

Pela primeira vez em quase dois meses, eu respiro aliviada. Desde o atentado, em 6 de setembro, eu larguei tudo, parei de responder e-mails, de enviar minha newsletter semanal, perdi prazo para palestrar em dois congressos nacionais, interrompi contatos internacionais, até abri mão de ser homenageada no Prêmio Magnífico do Nordeste, por não poder me deslocar até lá. Fui chamada de mentirosa, fascista e racista por amigos, que se foram renegando muitos anos de amizade, mas também convenci alguns esquerdistas a vir para nosso lado, emendei dia e noite, voltei a escrever artigos e mensagens reflexivas sobre política e voltei à militância que eu tinha largado em 1986…

Tudo isso para colaborar com a campanha mais simples e desorganizada que já presenciei. Sem um comitê, sem um escritório, sem material impresso, sem telefone fixo, com o povo agindo cada um à sua maneira, mas todos empenhados em livrar nosso país da corrupção, salvar nossas crianças do abuso, trazer nova esperança ao povo que já não aguentava mais tanto desemprego, tantas falências, tanta derrota, tantos roubos, tanta impunidade e, tudo isso, assistindo nosso povo e nosso país sendo tratados com tanto desdém por países mais desenvolvidos… E, mesmo sem dinheiro, com a mídia contra, com adversários inescrupulosos, ainda assim, continuamos unidos e acreditando que este homem que parece rude e até uma ameaça para alguns, no fundo, é sensível, luta pela igualdade, união e bem-estar de todos. E, pasmem os incrédulos, tem o melhor plano de governo que já li porque não promete nada impossível, busca nas soluções simples, a melhoria de vida para todos os brasileiros sem distinção, todos em igualdade.

 

Este homem me fez lembrar meu pai, também militar, que atirava muito bem e, em vista disso, ninguém se atrevia a nos fazer mal. Após a morte dele, saquearam a casa em que ele morava, roubaram inclusive as armas dele (que até hoje devem estar servindo ao crime) e, com apenas duas assinaturas, nós perdemos toda a herança que ele deixou. É assim que ficam as mulheres e filhos que perdem o homem da casa. Ele também me fez lembrar que eu fui assaltada à mão armada por duas vezes e passei um ano fugindo de um ex que me perseguia e ameaçava me matar por não aceitar o fim da relação. E, em todas estas vezes, foi a POLÍCIA que eu chamei para me ajudar. Por isso, em nenhum momento eu tive dúvidas em escolher o militar e não o bandido. Por isso eu não me importei em perder os “amigos” que defenderam um corrupto que, em um país sério, sequer poderia se candidatar, muito menos insultar um homem de bem…

Mas tudo isso é passado. Agora é arregaçar as mangas e iniciar a reconstrução. Será difícil. Uma dívida astronômica comprometendo a economia do país até 2060, 80% do comércio fechado, 14 milhões de desempregados oficiais, além de inúmeros extraoficiais, saúde e educação caóticas e a segurança inexistente. Tudo isso requer medidas imediatas e ainda há incompreensão e até repulsa de uma parcela da população que preferiu acreditar na mídia e na concorrência desleal que plantou a imagem de um monstro. Aliás, cabe a esta mesma mídia, se tiver vergonha na cara, desfazer bem rápido esta imagem deturpada que fixaram na mente dos desavisados. Faça ou não a mídia um papel decente, desfazendo o que criou, penso que é uma minoria, em média 25% da população que o repudia, mas é uma porcentagem “do barulho”, do tipo que invade propriedades, destrói tudo queatrapalha” seus objetivos, faz ameaças, incita discórdia, planta mentiras e “fake news” e ainda o acusa de fazer tudo isso. Ou seja, uma minoria que sabe incomodar muito. Quando cito minoria, é porque não acredito no resultado de apenas 55% de votos. Por onde passo, noto que, a cada dez pessoas, sete são a favor e votam no Bolsonaro, duas no adversário e uma prefere anular o voto. Por isso, calculo que ele tenha tido aproximadamente 70% de votos válidos, ou, na ponta do lápis, levando em conta que, de cada dez, nove votam válido, o nove vira cem por cento e ele venceria então com aproximadamente 80%. Me expliquei bem? Os resultados anunciados foram para justificar o grande impasse que a própria mídia criou e para dar a impressão de divisão da população. Assim fica mais fácil mostrar a guerra que, provavelmente, terá início com a “resistência”. Com a desculpa de lutar pela “democracia”, que há muitos anos não temos, poderão justificar qualquer barbárie de que sejam capazes.

Se você está se perguntando “como assim, não estamos numa democracia???” Leia meu estudo aprofundado sobre Democracia e Ditaduras, clique aqui.

Finalizando, com todos os problemas que citei acima, será difícil, mas o povo continuará lutando ao lado do Presidente. E acreditando, com muita fé, muita força, união e honestidade, teremos sim, um novo Brasil. Apesar da “resistência” preocupada apenas com sua “essência”, o povo unido buscando o bem de TODOS, colocando o país acima de tudo e D-us (Deus) acima de todos, vencerá. Já venceu! E assim é.

Onze mortes em ataque antissemita

28 de outubro de 2018 Deixe um comentário

Mais um ataque “antissemita”. E em pleno Shabat. Pra quem não sabe, é cada vez mais crescente o movimento contra judeus (observantes da Torah) promovido em Universidades, em especial nos Estados Unidos, mas tb em outros países. Mais uma marca grotesca da “infiltração” esquerdista que separa, cria grupos que se rivalizam e promove guerras invés de buscar união. Que estas onze mortes não sejam em vão. Que o Eterno traga ao Seu povo o direito de existir, de viver em paz. Que traga a TODOS o direito de escolher o caminho a seguir. E que as forças do mal, sejam soterradas agora e para sempre! B’H!!!

 

Leia na íntegra, clique aqui

Categorias:verdades

Democracia ou Ditadura? Eis a questão!

24 de outubro de 2018 1 comentário

Em primeiro lugar, se a população acessasse o site do TSE e lesse, além de entender bem, os planos de governo (PGs) dos candidatos, não seria necessário nenhum artigo ou explicação. Acontece que, uma parte, felizmente, uma minoria, além de desconhecer os PGs, segue acreditando em vídeos editados estrategicamente e notícias propagadas por uma mídia corrompida. Com isso, acaba aterrorizada, percebendo ameaça onde só existe boa intenção. Neste artigo, mostro estes equívocos e respondo a pergunta: Afinal, o que é melhor, democracia ou ditadura?

O que você entende por democracia? Pela definição Democracia é um sistema político no qual todos os cidadãos elegíveis podem participar de forma igual seja direta ou por intermédio de seus representantes eleitos propondo e desenvolvendo as Leis. Uma democracia deve abranger as condições sociais, econômicas e culturais que permitem o exercício livre e igual da autodeterminação política. Considera-se que a democracia ateniense, cujo pai é Clístenes, foi o início do que se acredita ser a democracia atual. A democracia ateniense caracterizava-se por:

1- Seleção aleatória de cidadãos comuns para preencher os poucos cargos administrativos e judiciais existentes no governo;

2- Assembleia legislativa composta por todos os cidadãos atenienses. Ou seja, todos os cidadãos elegíveis eram autorizados a falar e votar na assembleia, que estabelecia as leis da Cidade-Estado. Porém, a cidadania ateniense excluía mulheres, escravos, estrangeiros, os pobres que não possuíam terras e os homens com menos de 20 anos de idade.

Por ai já se percebe que não eram “todos” que podiam participar… Mas a questão é que a democracia deve permitir a TODOS os cidadãos a participação em elaboração de Leis e até prestação de contas dos gastos envolvendo o dinheiro público (como se usa o dinheiro arrecadado com pagamento de impostos, por exemplo).

Então eu pergunto: Alguma vez você que lê este artigo foi chamado para opinar ou lhe prestaram conta dos gastos do dinheiro público? Então você concorda que já podemos descartar a ilusão de estarmos vivendo uma “democracia”?

Outra pergunta importante: Você sabe o que é DITADURA DO PROLETARIADO?

Ditadura do proletariado é condição na qual a classe trabalhadora ou proletariado sobe ao poder. É uma espécie de luta contra a chamada Ditadura Burguesa em que se valoriza só os direitos da classe trabalhadora, os empregadores são vistos como “inimigos”,  condenados a pagar altos impostos. Isso quase sempre quebra empresas e acaba desempregando os operários. Em resumo, é um tiro no pé. Atribui-se a criação do termo “ditadura do proletariado” ao jornalista comunista Joseph Weydemeyer, porém o termo passou a ser adotado por muitos autores, entre eles, Karl Marx que, em sua teoria, define que a ditadura do proletariado se coloca entre o capitalismo e o comunismo, caracterizado pela existência de organismos de governo de classe. Marx definiu que “toda forma de governo é uma ditadura de uma classe sobre a outra”. Obvio, não é? Mas tem gente que acha que ele descobriu a roda ao definir isso. Na verdade, Marx citou pouco a ditadura do proletariado, exceto em “Crítica ao Programa de Gotha (Kritik des Gothaer Programms)”, documento baseado numa carta escrita por Karl Marx em 1875 ao grupo Social-democracia alemã em Eisenach, em que ele (Marx) pronuncia-se em detalhes sobre assuntos revolucionários, incluindo a revolução socialista, a “ditadura do proletariado”. Quem mais se pronunciou a respeito foi Joseph Weydemeyer que, inclusive, publicou um artigo intitulado “Ditadura do Proletariado” no jornal Turn-Zeitung (alemão), Neste artigo, ele escreveu é bem claro que não pode haver aqui qualquer duvida sobre transições pacíficas graduais”. Para bom entendedor, meia palavra basta. Já percebeu como se pretendia, desde aquela época alcançar esta ditadura?

Foi assim que este ideal de levar o proletariado ao poder chegou ao Brasil. A implantação em 1950 do sistema televisivo feito pelos Estados Unidos não só no Brasil mas em outros países e a construção de Brasília (1960) que custou aos cofres públicos uma fortuna, jamais calculada, aliados a outros fatores deram início a uma divisão de ideias e ideais, já no governo de Juscelino Kubitschek de Oliveira, que por sinal, era Médico oficial da Polícia Militar. Esta divisão de ideias e ideais seguiu e tornou-se latente quando Jânio Quadros foi eleito presidente em 3 de outubro de 1960, obtendo a maior votação até o momento (5,6 milhões de votos). Porém houve um contratempo, naquela época se votava de forma separada para eleger Presidente e Vice. E o vice de Jânio, Mílton Campos, não foi eleito. João Goulart foi o escolhido pelo povo e formaram a chapa apelidada como “chapa Jan-Jan”. O mandato seria de 1961 a 1965, porém Jânio renunciou bem antes.

Janio_Guevara_Gazeta_do_povo

Em seus sete meses de mandato, Jânio fez alguns atos ousados como aquele em que homenageou Ernesto Che Guevara (guerrilheiro/terrorista argentino que fora um dos líderes da revolução cubana e era ministro daquele país) com a Grã-Cruz da Ordem do Cruzeiro do Sul. Esta condecoração ocorreu em 19 de agosto de 1961, em agradecimento por Guevara ter atendido a seu apelo e libertado mais de vinte sacerdotes presos em Cuba, que estavam condenados ao fuzilamento, exilando-os na Espanha. Outro ato considerado subversivo ocorreu em uma reunião em Brasília (com o agente da KGB Alexander Alexeyev) em 5 de maio de 1961 em que Jânio se comprometeu a restabelecer relações Brasil-URSS. Estes e outros atos de Jânio desagradaram a grande parte da sociedade que temia o terrorismo e a espionagem no Brasil. A sociedade começou a questionar se havia desperdiçado seu voto com Jânio. Além disso, Carlos Lacerda que era governador do estado de Guanabara, colocou-se como porta-voz da campanha contra o presidente (da mesma forma como havia agido contra Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek). Porém, ao contrário dos dois acusados anteriormente como corruptos, era impossível acusar Jânio de corrupto, então Lacerda passou a acusá-lo de “golpista”. Neste clima, Jânio deixou uma carta em que se lia: “Ao Congresso Nacional. Nesta data, e por este instrumento, deixando com o Ministro da Justiça, as razões de meu ato, renuncio ao mandato de Presidente da República. Brasília, 25.8.61.” Seu vice, João Goulart (Jango), que estava na China, voltou e assumiu a Presidência, mesmo contrariando a muitos setores que o classificavam como comunista e temiam pelo Brasil, que já estava a caminho do comunismo declarado. Jango passou a tomar uma série de medidas que desagradavam a grande parte da população. Uma delas, o Plano Trienal, proposto por Celso Furtado, então Ministro do Planejamento: Reforma agrária, propunha desapropriação de terras com pagamento de indenização em títulos da dívida pública. Isso levaria muitos proprietários à ruína, visto que perderiam seus bens e seriam pagos com títulos e não com dinheiro. Reforma educacional que propunha abolir a cátedra e implantar o método freire, retirando o poder de decisão dos pais de alunos que se veriam obrigados a aceitar o novo método como padrão. Reforma fiscal que aumentaria o poder de arrecadação do Estado e limitaria remessas de lucros para o exterior. Reforma eleitoral que estendia direito de voto a militares de baixa patente e a analfabetos, mas também legalizaria o Partido comunista Brasileiro. Além de Reforma urbana e bancária, nacionalização de vários setores industriais (energia elétrica, refino de petróleo, químico-farmacêutico). Os congressistas não aprovaram a proposta, porém mesmo não aprovada esta informação vazou e a sociedade passou a repudiar Jango. Além disso, em 13/03/1964, Jango assinou dois decretos, que permitiam a desapropriação de terras numa faixa de dez quilômetros às margens de rodovias, ferrovias e barragens e transferia para a União, o controle de cinco refinarias de petróleo que operavam no país. Para completar, prometeu que realizaria as medidas que a sociedade rejeitava, ou seja, as reformas de base com mudanças administrativas, agrárias, financeiras e tributárias. Em paralelo, preços de mantimentos e diversos produtos subiam constantemente e a crise era tanta que o Banco do Brasil chegou a pedir falência.  

Manifestantes na Marcha da Família com Deus pela Liberdade em 19 de março de 1964 na Praça da Sé, em São Paulo. Fonte: Arquivo Nacional/Correio da Manhã.

A desaprovação da sociedade a estas propostas/medidas de Jango e a insegurança financeira que assombrava a todos iniciou uma fase de protestos, inclusive um temido golpe apoiado por militares de baixa patente como sargentos, cabos, soldados, além dos riscos do terrorismo que se implantara no país, cujo objetivo era não só aterrorizar, roubar e matar, mas implantar a “Ditadura do Proletariado” como um todo. Em outubro de 63, de novo, Carlos Lacerda ataca a Presidência, desta vez, na pessoa de Jango. Em entrevista ao LA Times, Lacerda atacou violentamente Jango e criticou os chefes militares. Ministros militares queriam que se declarasse estado de sítio, mas o Congresso Nacional, não foi receptivo. A partir dai, os oficiais, até então neutros, passaram a apoiar a conspiração golpista. Em paralelo, iniciado em 19 de março de 1964, aconteceu a marcha da família com Deus pela LIBERDADE. O povo está cansado das mentiras e das promessas de reformas demagógicas. Reformas sim, nós a faremos, a começar pela reforma da nossa atitude. De hoje em diante os comunistas e seus aliados encontrarão o povo de pé. […] Com Deus, pela Liberdade, marcharemos para a Salvação da Pátria!” Texto do Manifesto ao Povo do Brasil

Alguma semelhança com a realidade que vivemos hoje?

Setores como indústria/empresariado, clero e diversos setores políticos se organizaram em marchas, levando às ruas, num mesmo dia, mais de um milhão de pessoas com o intuito de derrubar o governo Goulart. Destes movimentos surgiu um confronto entre policiais que se intitulou “polícia contra polícia”. Já expliquei em outro artigo. O resumo é que um único comandante resolveu este confronto, restabelecendo ordem entre os militares. Este ato, assim como muitos atos dos militares não foi registrado pela história adulterada. Depois de todos estes movimentos, Jango foi deposto em 1º de abril de 1964.

Como a imprensa reagiu ao “Golpe Militar”?

Os “Diários Associados” (compostos por revistas, rádios, jornais e emissoras de TV, como O Globo, Rede Globo, Correio da Manhã, Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e Jornal do Brasil) festejaram a queda de Jango e a atitude dos militares que, frise-se bem, foram à frente representando o desejo de, praticamente, toda a sociedade. Note as manchetes e notas em 1 e 2 de abril de 1964:

O Estado de São Paulo: Minas desta vez está conosco (…) dentro de poucas horas, essas forças não serão mais do que uma parcela mínima da incontável legião de brasileiros que anseiam por demonstrar definitivamente ao caudilho que a nação jamais se vergará às suas imposições.”

Jornal do Brasil: “Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade … Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas” (Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 1º de Abril de 1964)

O Globo de 2 de abril de 1964: “Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares que os protegeram de seus inimigos“. (O Globo – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)

Estado de Minas:Multidões em júbilo na Praça da Liberdade. Ovacionados o governador do estado e chefes militares. O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte, pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas (…), formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade” (O Estado de Minas – Belo Horizonte – 2 de abril de 1964)

 O Estado de Minas  edição de 4 de abril: “Ressurge a Democracia! Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem“.

O Dia A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento(O Dia – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)

O Globo: “Ressurge a Democracia ! Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem. Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições” “Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada(O Globo – Rio de Janeiro – 4 de Abril de 1964)

Tribuna da Imprensa: Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas. Um dos maiores gatunos que a história brasileira já registrou, o Sr João Goulart passa outra vez à história, agora também como um dos grandes covardes que ela já conheceu” (Tribuna da Imprensa – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)

O Povo: “A paz alcançada! A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil(Editorial de O Povo – Fortaleza – 3 de Abril de 1964)

Jornal do Brasil:Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada”. (Jornal do Brasil, edição de 01 de abril de 1964.)

Segundo a Fundação Getúlio Vargas,(…) o golpe militar foi saudado por importantes setores da sociedade brasileira. Grande parte do empresariado, da Imprensa, dos proprietários rurais, da Igreja Católica, vários governadores de estados importantes (como Carlos Lacerda, da Guanabara, Magalhães Pinto, de Minas Gerais e Ademar de Barros de São Paulo) e amplos setores de classe média pediram e estimularam a intervenção militar, como forma de pôr fim à ameaça de esquerdização do governo e de controlar a crise econômica.

Jornal do Brasil em 1973: Vive o País, há nove anos, um desses períodos férteis em programas e inspirações, graças à transposição do desejo para a vontade de crescer e afirmar-se. Negue-se tudo a essa revolução brasileira, menos que ela não moveu o País, com o apoio de todas as classes representativas, numa direção que já a destaca entre as nações com parcela maior de responsabilidades”. (Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 31 de Março de 1973)

Estas manchetes estão em PDF, ao final deste artigo.

As perguntas que ficam são: Se os militares foram à frente atendendo a um pedido quase unânime da sociedade brasileira, porque a história ao longo dos anos foi sendo alterada colocando-os como “monstros”? Por que reportagens feitas em que os terroristas assumem que roubavam armas e fardas dos quartéis, praticavam crimes hediondos e culpavam os militares não foram ao ar? Por que a mesma mídia que aplaudiu tanto a bravura dos militares salvando o Brasil em 1964, hoje se volta contra eles completamente vendida aos subornos da esquerda comunista? Por que, depois da suposta liberdade, o povo pede novamente pela Intervenção Militar?

Você reconhece aqui o que estamos de fato vivendo?

Ainda acha que estamos numa democracia?

Democracia? Hoje crianças são treinadas pelo MST para serem “invasoras mirins”, crianças de seis anos são expostas à erotização em escolas e em programação de TV, 14 milhões de desempregados, 80% do comércio nacional fechado, empresas estrangeiras deixam o país, a imprensa só divulga o que é pago ou alienante. Democracia sem verdade não é democracia! E Democracia é bem diferente deste caos que se instalou no Brasil

Assista alguns vídeos e entenda melhor a verdadeira História.

A verdade sobre o Regime Militar Documentário na voz de Cid Moreira, transmitido pela TV Globo em 1975, sobre os acontecimentos no país nos últimos 11 anos, desde a Intervenção Militar de 64 até 1975.  Como o país saiu do caos e se recuperou no governo militar. Incluindo também projeção do que seria feito até 1980. Confira!

Verdades sobre Dilma, Lula e outros políticos brasileiros. Resumo de diversos documentários

A verdade sobre o Regime Militar e o Terrorismo – Canal Pátria Amada. Acesse o canal, clique aqui

Lula confessa o que fez e o que pretende fazer contra o Brasil, se for “candidato”

Dilma cita que “o Brasil” investiu 802 milhões de dólares (BNDES) em Cuba e, na sequência, investiria mais 290 milhões de dólares. Faz sentido, o Brasil não tem desempregados, tem um sistema de saúde perfeito, educação de primeiro mundo. Já que sobra tanto dinheiro, vamos investir em Cuba.

 

O que é fascismo? Vídeo explica muito bem – Canal Eguinorante. Acesse o canal, clique aqui

Historiador e Professor Wander Pugliese relata em entrevista toda a sua experiência e pesquisas sobre a intervenção militar e os governos militares no Brasil

Como foi a Ditadura, contada por quem viveu a época – Canal E-Guinorante

 

Vídeo gravado em novembro de 2017, ocasião do início do Amazonlog Seventeen (exercício dos Estados Unidos na Amazônia), o pedido do povo pela Intervenção Militar, invasões em fazendas agrícolas, além de outros temas que não foram noticiados pela “grande mídia”

A verdade sufocada. Resenha de um livro que mostra o outro lado do Regime Militar e da trajetória política do Brasil  

Saiba mais: Manchetes e capas de jornais, 19_capas_1964_imprensa_apoiou_golpe

Informações diversas e complementares: clique aqui, clique aqui, clique aqui, clique aqui, clique aqui

Livros:

PINHEIRO, Luis Adolfo. JK, Jânio, Jango: três jotas que abalaram o Brasil.

Por que votar no Bolsonaro?

19 de outubro de 2018 Deixe um comentário

Leia estas duas mensagens e assista ao vídeo no final.  Ficará mais fácil entender porque eu, votando no Bolsonaro,  não sou tão louca nem ignorante assim...

Você conhece o projeto do Bolsonaro para o Nordeste? É excelente! Assista neste vídeo:

 

Conheça mais sobre os planos de governo dos dois candidatos, clique aqui

%d blogueiros gostam disto: