Resultados da pesquisa

Keyword: ‘Portal’

Portal Lou de Olivier reformulado

20 de julho de 2018 Deixe um comentário

O Portal Lou de Olivier está no ar há mais de vinte anos. No início, apenas uma pagina que era atualizada mensalmente. Foi crescendo até que, em 2000 foi ao ar o primeiro portal oficial,com 300 páginas, que tinha desde peças teatrais até orientação para dissertações e teses.

Em todos estes anos, o Portal passou por diversas reformulações, já foi, inclusive, uma porta de entrada para diversos sites e subsites em diversas áreas.  Agora, atendendo a pedidos, o portal voltou a ser mais sucinto. Continua repleto de informações úteis, mas todas concentradas num mesmo local. E o site em Português é separado do site em Inglês. Desta forma fica mais fácil de navegar e localizar os temas de interesse.

Ainda está em fase de experiência, mas já pode ser acessado.

Em Português, https://www.loudeolivier.com.br/

Em Inglês, https://www.loudeolivier.com/.

 

Leia mais sobre a história do Portal Lou de Olivier, clicando aqui

Portal Lou de Olivier, 21 anos no ar!

28 de março de 2018 Deixe um comentário

Banner Portal Lou de Olivier – desenvolvido por Mauro 2005 a 2010

O Portal Lou de Olivier está no ar desde 1997, ou seja, há 21 anos.

Começou com uma única página que trazia um artigo apenas. E era atualizado a cada mês. Na primeira semana de cada mês, eu criava outro artigo e substituía o já existente. Em geral, os artigos que iam para o site eram os que já estavam publicados nas minhas colunas em jornais de bairro, como Socorro News e Intersul.

Naquela época, a Internet ainda era discada e muito cara. Por isso eu era obrigada a manter apenas uma página, até que, em 1999, eu lancei o livro “A Escola Produtiva” e resolvi divulgá-lo no site colocando uma parte de um capítulo deste livro. Como o espaço era muito pequeno, eu não consegui colocar o artigo todo. Tive que interrompê-lo no melhor do conteúdo e ficou assim: “pesquisas indicam que… você lerá este artigo na íntegra no livro A Escola Produtiva”… Pronto, acabou o espaço da página mas me surpreendeu a grande quantidade de pessoas que se interessaram em comprar o livro.

Empolgada, eu resolvi que colocaria um portal no ar. Mas os valores pedidos pelos webmasters eram exorbitantes, em media, cem reais por página. Lembrando que, naquela época eram pouquíssimos profissionais que desenvolviam sites, cuidavam de tudo desde planejamento até colocar o site no ar e eram chamados de webmasters. Hoje há webdesigns, webmasters e Webdevelopers, cada um com sua função…

Enfim, era um preço muito alto para eu pagar, até porque eu pretendia colocar 300 páginas no ar. Então tive ideia de fazer um curso e eu mesma desenvolver o portal. Fiz um curso particular de apenas seis horas. Deveria ser de oito horas, mas o professor saiu antes da aula terminar e fiquei sem saber como colocar o site no ar, além de ter apenas vinte páginas prontas. Então fui sozinha na base de erro e acerto, terminei de criar as 300 páginas, atormentei diversos profissionais que estavam num fórum sobre sites, pedindo a eles ajuda e dicas e, dois dias depois, entrava no ar o meu primeiro portal oficial que tinha desde peças teatrais até orientação para dissertações e teses.

Com tantas informações, o meu livro parou de vender, afinal, os internautas já encontravam tudo que precisavam no portal. Mas ficou maravilhoso e isso que importava!

Em 2005 consegui ter meu primeiro domínio próprio. Naquela época só empresas podiam adquirir domínios e um colega de jornal (escrevíamos para o mesmo jornal) me “emprestou” o CNPJ dele para eu poder adquirir o domínio “loudeolivier.com.br”. Foi quando entrou no ar o meu portal reformulado, desta vez, desenvolvido por um webmaster. A quantidade de páginas diminuiu, não eram mais 300, mas em compensação, o visual era ótimo e agora em domínio próprio…

Em 2010, por questões financeiras, precisei migrar a hospedagem e tive que voltar a desenvolver o portal para economizar, pois a manutenção do site estava bem alta. Mesmo assim consegui manter o portal funcionando e sempre crescendo. Até que chegou ao que é hoje, abrigando diversos sites e subsites e eu continuo desenvolvendo tudo sozinha. Acho importante que as pessoas saibam disso porque pode parecer que eu seja uma milionária excêntrica mantendo algo tão grandioso, mas é minha perseverança e o “botar a mão na massa” sozinha que torna possível hoje completar vinte e um anos no ar.

Aproveite e acesse todo o conteúdo do portal em: https://loudeolivier.com/

Veganismo, entre críticas e falências, tenta sobreviver…

18 de maio de 2018 Deixe um comentário

Há tempos não escrevo nada sobre veganismo, ou melhor, sobre uma consciência que nos faz perceber a dor dos animais, a necessidade de preservar o planeta como um todo e também maior preocupação com o que ingerimos e resgate às origens. Aliás, nem poderia classificar como veganismo o que eu divulgo, pois o foco principal do veganismo são os Direitos dos animais e eu penso que há necessidade de entender e preservar os Direitos dos animais, mas também os Direitos da Terra, do Planeta, dos humanos e um resgate às origens da Criação. Tudo isso com apenas algumas mudanças nos hábitos alimentares e de vida…

Mas deixando as definições e classificações de lado, o que eu quero frisar é o fato do veganismo estar sempre criticando fatos, empresas e pessoas que não se enquadram no “padrão” vegano. Uma coisa é divulgar o veganismo, ensinar outros meios de se alimentar e viver, outra coisa é criticar sem aceitar que cada um tem um entendimento, um aprendizado e um tempo para entender qualquer assunto, isso inclui o entendimento do Veganismo.

Foto do site Dreamstime

A crítica atual gira em torno dos lançamentos de congelados da empresa brasileira Superbom, bem conhecida do público vegano. Das onze opções de congelados, apenas três são veganas. Os outros oito produtos contêm ovos e leite em sua composição. Embora os comentários sejam de espanto e os mais radicais estejam promovendo um “boicote” aos produtos da empresa, é preciso lembrar que é uma empresa Adventista, pertence à denominação (Igreja) Adventista e seu foco NÃO é o veganismo. Os Adventistas seguem o raciocínio do início da Criação, quando Deus estipulou um cardápio composto basicamente de frutas e produtos da Terra. Este também é o raciocínio de alguns segmentos do Judaísmo e do Cristianismo. Em comum, estes segmentos se alimentam de forma a agradar a Deus.

Em geral incluem ovos, leite e mel na alimentação por entenderem que, para ingerir estes alimentos, não promovem morte nem sofrimento. É bom lembrar que há outras religiões, em geral, orientais em que os adeptos não se alimentam de carne porque acreditam que a “alma”, dos parentes/antepassados pode ser transferida para os outros animais. Ao matar e ingerir um animal, corre-se

Foto do site Ana Vegana

o risco de matar um parente ou um antepassado. E isso, pasmem os leitores, faz sentido sim. Não entrarei em detalhes para não tornar muito longo este artigo. Quem se interessar por este tema, pode ler os links que indico no final deste artigo.

 

O resumo é que a grande maioria ou mesmo todas as religiões que pregam a alimentação vegetariana, o fazem por razões espirituais de elevação e conexão com Deus. Este é o foco. E suas respectivas empresas atuam no mesmo foco. Por isso, as críticas dos veganos não mudam nada no entendimento dos seguidores destas religiões. Eu, particularmente, sinto falta de uma empresa que produza alimentos naturais, de qualidade e sem dogmas ou rituais. Que apenas produza alimentos para serem ingeridos por veganos e não sejam apenas extensões de rituais religiosos. Temperos específicos, também se prendem a um número, no meu entendimento, restrito já que cada um tem um paladar e uma forma de sentir os gostos dos alimentos.

Finalizando, penso que não cabe a ninguém julgar o que é correto ou não em empresas que produzem alimentos ou outros itens veganos, seria bem mais útil orientar, difundir de forma pacífica como eu tenho feito com o Vampirinho Vegano que, por sinal, em duas promoções consecutivas, não vendeu NADA, em consequência, mais uma vez, tive que tirar de outras fontes para alimentar os animais que recolhemos das ruas e fiquei sem poder ajudar a outros que tanto precisam. E penso, seriamente, em parar de divulgar o projeto, afinal, o dinheiro gasto nas divulgações pode ser empregado no auxílio aos animais. A Lush, empresa de cosméticos praticamente vegana (80% da linha é vegana e 20% é vegetariana) está deixando o Brasil, pela segunda vez. E, desta vez, parece ser definitiva a saída, fechando suas quatro lojas e a fábrica, desempregando inúmeras pessoas e deixando de produzir cosméticos de qualidade no país. Assim, de parada em parada, vamos deixando de produzir o que é vegano, desanimados e cansados enquanto os Veganos estão preocupadíssimos em criticar empresas que nem sequer se intitulam (nem pretendem ser) veganas. Se os veganos apoiassem projetos como o Vampirinho Vegano ou empresas que produzem algo vegano de fato, talvez os resultados fossem bem melhores, não haveria tantos fechamentos ou falências. E as empresas (e pessoas) veganas por questões religiosas poderiam também viver em paz. Afinal, o motivo principal do veganismo é secundário, o que vale é o resultado. Ao se deixar de ingerir produtos de origem animal, salva-se os animais, o planeta e a própria saúde. Quem não entende isso e segue discutindo apenas pela ética, pelos direitos, não está defendendo nenhum animal, está apenas inflando seu ego numa discussão que nunca terá fim. Direitos, todos tem, de fazer tudo o que bem querem, direito é questão de argumentos, veganismo deve ser questão de salvar vidas de animais, de humanos e do planeta como um todo!

Saiba mais sobre questões religiosas e espirituais: Clique aqui.

Saiba mais sobre o Projeto Multimídia Solua, Vampirinho Vegano: Clique aqui

Acesse o Portal Lou de Olivier, tudo que você procura está aqui: Clique aqui

A todas as mães!

12 de maio de 2018 Deixe um comentário

Alguns textos ficam tão bons que não se consegue criar nada melhor depois deles. Este é um poema que fiz para todas das mães em 2003, a cada ano formatei até que, em 2013, fiz esta formatação. Pra mim, ficou perfeita! Dedico a todas as mães, avós, bisavós… sintam-se todas homenageadas! Acesse mais mensagens como esta no Portal Lou de Olivier: https://loudeolivier.com

Cinderela que não era Bela porque era Branca demais!!!

12 de março de 2018 1 comentário

Lou de Olivier o lado do cartaz de estreia de Cinderela que não era Bela porque era Branca demais (Cia Estrela D’arte) no Teatro Juca Chaves 2010

Esta é uma de minhas peças mais famosas e, por isso, muito copiada e até plagiada. Por isso volto a abordar este tema e citar esta peça até porque ela está em fase de ensaios e, em breve, reestreará. Eu a escrevi por volta de 1982, com linguagem da época e com o título “Três contos que eu vou te contar!”. Nós fizemos uma montagem simples em 1985 e entramos em cartaz. Na sequência, eu escrevi outras peças, musicais e deixei-a de lado até que, em 1988, mostrei o texto para um diretor de teatro infantil e ele se encantou com o enredo. Pediu para montá-la e eu permiti. Ele pediu que eu colocasse um subtítulo mais “chamativo”, mais “a cara da peça” e, depois de muito pensar e discutir com este diretor, encontrei o título ideal: “A Cinderela que não era bela porque era Branca demais”, Este título incluía as três princesas da peça Cinderela (na peça seu nome é Guimirela), Bela (na peça, a Bela enlouquecida) e Branca de Neve (na peça é Bronca de Neve)… Pronto! Estava criada a receita do sucesso. A partir desta montagem, esta peça virou “febre”, as crianças amavam e queriam assistir mais e mais. Ficou anos em cartaz, viajando por todo o Brasil.

Cinderela que não era Bela porque era Branca demais, montagem da Cia Adote Mato Grosso Sul

Em 1996, quando entrei na Internet, empolgada com o novo meio de comunicação, eu coloquei, no meu portal, algumas de minhas peças disponíveis para leitura. E esta peça estava entre elas. Logo recebi pedidos de autorização de montagem de todo o Brasil, alguns grupos amadores, algumas cias profissionais e muitos professores de Artes pediam para montar esta peça. Pensei, por que não autorizar a todos e fazer uma mega-apresentação simultânea?

Não chegou a ser simultânea, mas foi em sequência. Durante dois anos, esta peça foi montada e apresentada em diversos festivais, diversos teatros e até por um grupo de teatro de rua. Eu não cobrava Direitos Autorais dos amadores e das escolas, apenas dos grupos profissionais. E ainda ajudava na divulgação, então era sucesso na certa!

Em 1998 eu escrevi “Os Alienados” que também virou febre, foi inúmeras vezes montada e apresentada por todo o Brasil e Portugal, onde recebeu o título “Os alucinados”. A partir dai os elencos revezavam as duas montagens. Ambas receberam muitos prêmios em festivais e fizeram muito sucesso.

Lou e elenco – apresentação no teatro Municipal de São Sebastião – SP – Brasil em 2011

Os anos passavam, tudo mudava, mas estas duas peças teatrais continuavam sendo montadas e aplaudidas por onde passavam. Em 2009/2010, fui contatada pela Cia Estrela D’arte e me surpreendi quando a diretora disse que há muitos meses tentava contato comigo sem êxito. Admirei a força de vontade dela em insistir até conseguir contato. E não só autorizei a montagem, como me ofereci para assessoria e divulgação da peça. Praticamente todo o material de divulgação que tenho é desta cia, pois foi uma das melhores montagens e agradou muito a todos que assistiram. Ficou em temporada nos Teatros Juca Chaves, Sílvio Romero e viajou algumas cidades de São Paulo – Brasil entre 2010 e 2012. Em paralelo, a Cia Adote do Mato Grosso do Sul fez diversas e boas montagens deste texto. E, com isso, a peça continua tão atual como se tivesse sido escrita hoje.

O enredo é interessante e divertido. Começa que a Cinderela é mãe da Bela e esta é mãe de Branca, ou seja, Cinderela é avó da Branca e as famílias se entrelaçam… Detalhe que a Cinderela se chama Guimirela, a Branca se chama Bronca e a Bela é enlouquecida por causa de um tombo que leva aos 15 anos… Nesta divertida comédia não tem golpe do baú (aquele famoso casou com o príncipe bonito e rico e viveu feliz para sempre), ao contrário, as princesas casam, tem filhos, cuidam da casa, os príncipes ajudam nos afazeres domésticos e na educação dos filhos e ainda ensinam conceitos para uma boa alimentação e para uma melhor convivência familiar. As cenas são engraçadíssimas, o público ri muito enquanto aprende e a maior recompensa foi ouvir de uma criança, ao final de uma das apresentações: – Mãe, quando nós vamos assistir de novo?”

Por ai, já dá para perceber que é imperdível. E logo anunciarei a reestreia. Quando? Onde? Quem? Será mais uma mega-apresentação? Tudo isso é surpresa. Aguardem! Só lembro a todos que, apesar de existirem muitos vídeos espalhados com estes dois títulos, NENHUM é autorizado a encenar ou divulgar, inclusive algumas montagens ficaram bem sofridas e até denigrem o texto. Mas aguardem que logo virá mais uma superprodução autorizada e devidamente divulgada por mim.

Por enquanto, assistam este vídeo com entrevista e trechos da peça apresentada na estreia (Teatro Juca Chaves). A entrevista foi concedida ao Programa Giro Brasil, de Yasmin Amaral. E foi ao ar em Agosto/setembro de 2010:

Saiba mais, clique aqui e aqui

Anna (Lou de Olivier) despede-se de seus canais no YouTube

2 de janeiro de 2018 Deixe um comentário

Aproveitando o clima de final de ano, estou me despedindo dos meus canais do YouTube tanto pelo canal Lou de Olivier quanto pelo canal Multiterapia Legítima. Antes da despedida oficial, vou contar rapidinho a história dos canais e explicar porque estou me desligando do YouTube. Por volta de 2009 eu criei um canal, perdi a senha, criei outro, perdi a senha e criei um terceiro. Acabei deixando os três sem atividades até 2010, quando eu voltei à TV, consegui recuperar as senhas e passei a usar o canal Lou de Olivier, para postar os meus vídeos de entrevistas em TV. Mas eu notava que poucos vídeos meus deslanchavam e quando chegavam em 5 mil visualizações, estacionavam ou regrediam, baixavam para duas mil e poucas visualizações e parece que ninguém mais assistia. Ficavam perdidos no vácuo. Em 2012 eu passei a escrever para diversas revistas e deixei a TV, por isso, parei de postar os vídeos. Em 2015, eu resolvi reativar também o canal Multiterapia, acrescentei o “Legítima” para diferenciar dos muitos copiadores do que eu invento e, neste canal, passei a postar vídeos autoproduzidos. A princípio eu tinha um produtor e, na sequência, passei a produzir sozinha. Mas neste tempo todo, as visualizações são muito poucas, pouquíssimos inscritos e, depois que eu postei o vídeo sobre a polêmica com minha frase reflexiva que foi atribuída ao Freeman. Ai eu notei que as visualizações diminuíram muito. A impressão que eu tenho é que nem os assinantes do canal estão visualizando. Muito provavelmente porque não devem estar recebendo avisos de atualizações. Afinal, se eles se inscreveram no canal, é porque querem assistir meus vídeos, se não estão assistindo, só pode ser porque não estão sendo avisados. Isso é muito chato, é uma concorrência desleal incentivada pela própria plataforma do YouTube.

Recentemente um internauta me escreveu o seguinte:

loudeolivier, gostei muito do conteúdo do seu canal. Já até me inscrevi. Um conteúdo como o seu deveria ter mais repercussão na mídia, não entendo como o seu canal tem tão poucas visualizações.”

A resposta é muito simples porque falo verdades que não são comerciais. Então, só um exemplo, aparece o Dr Blá blá blá que foi no programa Lê lê lê e grava o vídeo afirmando que Dislexia faz trocar letras. Ai o vídeo tem milhões de visualizações. Ai vem a Anna Lou aqui e afirma que isso é um mito. Mas ela não foi no programa Lê lê lê falar isso porque esse programa é pago. E ela não concorda em pagar, já está divulgando verdades de interesse geral, ainda tem que pagar pra falar? Ai é pedir demais, ne? Ai o vídeo da Anna Lou tem só 50 visualizações, se ela pagar uma propaganda numa rede social, as visualizações sobem pra umas 120 aproximadamente… E o que complica é que as pessoas que assistem e gostam, algumas até curtem, mas sãos raras as que repassam, que compartilham. Se todos os que assistem compartilhassem, teria bem mais visualizações e repercussão.

Isso acontece em todos os temas que eu abordo. E me desanimei de ficar produzindo tanto conteúdo pra tão poucas visualizações. Mas eu quero frisar que estou deixando os canais do YouTube, não criarei novos conteúdos para o YouTube, mas os vídeos que já postei lá, permanecerão, o meu portal vai continuar enquanto for possível que é o https://loudeolivier.com e este meu blog de notícias, onde eu posto com frequência e estou estudando uma forma de postar vídeos por aqui, também continuará. Então, você que gosta dos meus vídeos, dos meus conteúdos e/ou se inscreveu em um dos meus canais, cadastre-se para receber meus artigos e novidades em primeira mão aqui mesmo  neste blog. https://noticiasdalou.blog.

Você pode seguir pelo próprio blog, se você também tem um blog nesta plataforma (WordPress) ou se cadastrar pra receber atualizações via e-mail, ai acho que é só preencher seu nome e e-mail e já receberá as novidades. Agradeço muito a presença de vocês, aqui no blog. Super beijo e tudo de bom pra vocês em todos os dias do ano.

Assista ao último vídeo  de Anna Lou Olivier publicado no YouTube.

Veganismo fundamentado em Medicina e Nutrição

22 de dezembro de 2017 Deixe um comentário

Desde 2010, Anna Lou Olivier (Lou de Olivier) mantém dois projetos de orientação sobre veganismo. Ana Vegana para adultos e Solua, o Vampirinho Vegano para crianças e adolescentes. Ambos fundamentados em Medicina e Nutrição.

O subsite Ana Vegana traz preciosas informações desde algumas receitas culinárias simples e cosméticos naturais até a utilização do veganismo na cura de doenças.

 

Enquanto isso, o site Solua, vampirinho vegano, oferece quatro desenhos animados e diversos vídeos de ensaios e apresentações teatrais, mostrando um pouco da história dos animais, os testes em animais e outros temas importantes para ensinar veganismo de forma lúdica, mas bem fundamentada. Vale lembrar que, no início de 2017,  aconteceu a Mega-apresentação Teatral Vegana, coordenada por Anna Lou e dirigida por diretores regionais que reuniu seis grupos de teatro profissional, apresentando-se simultaneamente em seis cidades brasileiras. Nesta ocasião, o texto resumido (esquete) do vampirinho vegano, em Plantando uma nova consciência, foi assistido por duas mil crianças e duzentos adultos e está disponibilizado no site oficial para ser assistido online.  O projeto inclui camisetas e e-books com histórias do vampirinho vegano que, além de muito divertidas e educativas, tem sua renda toda doada aos animais abandonados.

Leia mais sobre veganismo, neste mesmo blog:

Veganismo e meio ambiente, clique aqui.

Ebooks que valem ração e amor, clique aqui.

Anna Lou responde perguntas sobre veganismo, clique aqui.

Assista gratuitamente os desenhos e vídeos e conheça os e-books do vampirinho vegano, clique aqui.

Assista aos desenhos clique em “Solua no cinema

Conheça os elencos, projeto e encontre links para os vídeos de ensaios e apresentações teatrais, em “Solua no teatro

Conheça o subsite Ana Vegana com muitas informações úteis, clique aqui.

Todos estes sites e subistes fazem parte do Portal Lou de Olivier (Saúde, Educação, Artes, Filantropia, Veganismo, Pacisfismo, Teologia e muito mais. Tudo que você procura está aqui) https://loudeolivier.com 

Espionagem na Internet – redes sociais de olho em você!

11 de novembro de 2017 2 comentários

Foto Dreamstime

Foi por volta de 1999, eu participava de um grupo de poetas cibernéticos. Ficávamos conversando e poetando pela madrugada. Bem, nem todos estavam no mesmo horário, já que alguns estavam na Europa, outros nos Estados Unidos, alguns no Brasil, enfim, para mim era madrugada… Saudades daquela doce época em que a poesia nos elevava e nos fazia acreditar naquele sistema que usávamos: a Internet que, ainda em seu início, ainda discada, caía bastante, mas nos proporcionava horas de amizade em muitos versos e rimas.

 

Foi numa dessas conversas que eu comentei que deveríamos cuidar do que escrevíamos pois estávamos sendo “monitorados”. Um poeta/amigo que estava nos Estados Unidos logo concordou e teceu comentários, frisando sua opinião. Ele foi o único a concordar comigo. Logo havia um amontoado de críticas e sátiras. Nos chamaram até de lunáticos. Sim, naquela época, parecia uma grande alucinação alguém espionar e-mails, fóruns e outras reuniões entre amigos ou profissionais.

 

O tempo passou, os fóruns de poetas e os chats foram substituídos pelas redes sociais. Tornou-se comum o fato das pessoas publicarem seus dados e até seu atos cotidianos nas redes sociais. Na vida real, ninguém fotografa seu prato (almoço ou jantar) e sai mostrando para os vizinhos, mas na rede social tornou-se comum postar seu prato, o que está comendo. Mas isso é o de menos, afinal, ninguém vai ser punido pelo que comeu, apesar de poder enfrentar a ira de ativistas ou algo assim…

 

A questão vai muito além. A maioria das pessoas passou a postar detalhes de suas vidas que não informaria a ninguém ou então informaria a um grupo restrito de amigos. Um dos casos famosos ocorreu em Hamburgo, Alemanha. A adolescente Thessa postou no seu Facebook que comemoraria seu aniversário em determinada data, Apareceram milhares de pessoas querendo participar da festa, houve tumulto e até a polícia precisou intervir. Já houve casos de pessoas que foram despedidas ou perderam seus benefícios por postarem fotos ou mensagens que as denunciaram/incriminaram. Inclusive, este é o lado bom, alguns criminosos foram presos por postarem seus “feitos” em redes sociais. Na tentativa de zombar da polícia e/ou de suas vítimas, acabaram pegos e presos…

 

Foto: Dreamstime

Em meio a tudo isso, em março deste ano (2017), o site WikiLeaks anunciou que “espiões americanos conseguiram interceptar mensagens de celular e até TVs conectadas à internet no mundo inteiro”. Segundo artigo G1, Edição do dia 07/03/2017, citando reportagem do Jornal Nacional, havia cerca de sete mil páginas, mostrando, em sua maioria, códigos de computador que, caso fossem verídicos, esses documentos revelariam a forma como os espiões americanos agem na internet. A reportagem citava, inclusive, uma triste “descoberta”, não só a CIA teria um departamento especializado na criação de vírus (mais de 500 projetos para infectar dispositivos eletrônicos no mundo todo), mas o principal é que as mensagens enviadas por aplicativos no celular podem ser interceptadas. Antes desta reportagem mostrada pelo WikiLeaks, acreditava-se que a mensagem sairia criptografada e só se tornaria legível ao chegar no celular do destinatário. A notícia decepcionante é que os documentos revelavam que já havia um vírus desenvolvido pelos americanos para interceptar a mensagem antes de ser codificada.

 

Mas, sejamos conscientes, isso nós já sabíamos desde o início da Internet. Ao menos eu e este amigo poeta dos Estados Unidos, apesar de sermos desacreditados, já tínhamos percebido. O que a grande maioria não percebeu e alguns não perceberão nunca, é que nunca houve segurança alguma. Especialmente em serviços “grátis”, tudo é espionado sim. Se você utiliza serviços como gmail, hotmail (outlook.com) e outros sistemas gratuitos de e-mails, facebook e outras redes sociais grátis, todos os seus dados, postagens, mensagens e atividades estão sendo monitorados. E isso não é (ou não deveria ser) novidade para ninguém.

 

Não quero tornar este artigo longo. Impossível citar todos os detalhes, Apenas quero citar que decidi escrever este pequeno artigo por dois motivos. Primeiro, recentemente recebi um vídeo muito singelo do Facebook. Periodicamente, enviam vídeos com uma música alegre, anunciando quantas curtidas eu cliquei e quantos amigos novos eu fiz… Detalhes que eu mesma não me lembrava. Acho esta atitude tão “meiga”, alguém cuidar com tanto “carinho” de todos os meus passos. Na sequência, pedi uma cópia de meus arquivos e notei que não só o Facebook mantém todos os meus dados pessoais e os grupos dos quais eu participo, mas também mensagens (inbox), inclusive aquelas em que a pessoa só me contatou uma única vez pedindo informações sobre algum de meus livros ou algum distúrbio ou mesmo alguma “cantada” de desconhecido que eu nem respondi… E existem até mensagens de pessoas que eu nem tenho certeza se me contataram…

 

Imagino a grande (Ir) responsabilidade que deve ser armazenar e manter todos esses dados de todos os participantes do Face. E friso que estou citando o Facebook porque foi onde ocorreu o fato, mas todas as redes sociais funcionam da mesma forma. Se, por um lado, servem até para prender bandidos, por outro interferem na privacidade de seus usuários sem piedade.

 

E agora vem o segundo motivo que me levou a escrever este artigo. Diante de todo este monitoramento fica até fácil entender porque minhas notícias sofrem tantos “boicotes”. Meus vídeos no YouTube raramente chegam a cinco mil visualizações, quando chegam, misteriosamente, caem para duas mil e “estacionam”, meus posts recebem pouquíssimas visualizações, mesmo os impulsionados acabam tendo muitas curtidas e comentários, mas são raras as reais visitas aos sites ou vídeos. A impressão que tenho é que, ao pagar um impulsionamento, o que recebo são curtidas “fake” que consomem a verba investida mas, na prática, não dão retorno algum.

 

Meu lema sempre tem sido “Publicando hoje a notícia de amanhã”, trago muito antes as informações em diversas e importantes áreas e isso incomoda o sistema lento, que estipula que as descobertas devem ser rápidas, mas a informação deve ser o mais lenta possível. Afinal, informação significa poder, quem detém informação detém o poder (isso se aprende na faculdade, inclusive). Portanto, quem descobre algo deve guardar para si o quanto for possível e, só em último caso, revelar… Eu faço o contrário, eu descubro e já repasso (ao menos repassava até escrever este artigo, vou repensar se devo continuar trazendo informações antecipadas), isso interfere no sistema que se coloca como poderoso e absoluto, só ele pode “revelar” quando ele julga conveniente…

 

É por isso que um aniversário de uma adolescente desconhecida atrai milhares de pessoas e as minhas notícias* com informações de interesse mundial ficam restritas a alguns poucos contatos.  

Este assunto é complexo e extenso, não abordei nem 1/10 do que gostaria. Sendo assim, te convido a ler meu lançamento em romance “Armagedon Har Meggido (Ana e o Apocalipse). Parece religioso, mas só tem base teológica, no mais aborda teletransporte, espionagem, teorias de conspiração, Física Quântica e muitos temas polêmicos em forma de romance. Sei que, com tanto boicote aos meus artigos e anúncios, não será Best Seller, mas os poucos que conseguirem ler, perceberão que vale a pena ler!

Se você é cliente Amazon, acesse a página direta, clicando aqui. Se você nunca comprou no site Amazon ou quer saber mais, clique aqui. Ou Assista ao vídeo a seguir:

* Anna Lou Olivier (Lou de Olivier) é Multiterapeuta, Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes Visuais. Detectora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia, Precursora da Multiterapia, desenvolvedora e introdutora da Brinquedoteca aliada à aprendizagem no Brasil e Europa e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal. É também Pioneira da TV brasileira e da Música mundial. Dramaturga e Escritora (vários gêneros), autora de dez livros didáticos, diversos romances, uma trilogia, vinte e-books, mais de 700 poesias publicadas. Como Acadêmica tem diversos artigos publicados e aceitos pela comunidade científica internacional, especialmente na Europa e tendo duas de suas dezoito peças teatrais já encenadas em todo o Brasil e em Portugal. Sua biografia consta em livros oficiais como “Dicionário de mulheres”, “Enciclopédia de Literatura Brasileira” entre outros. Anna Lou Olivier é vegana, Pacifista socio-ambiental/animal e segue a filantropia anônima e desvinculada de política ou religião implantada por seus pais há quase oitenta anos.

Conheça o Portal Lou de Olivier (Saúde, Educação, Artes, Pacifismo): http://www.loudeolivier.com

Site pessoal (produção Acadêmica, Literária e Artística): https://acliar7.wordpress.com

Lou de Olivier lança três livros didáticos simultaneamente

27 de outubro de 2017 2 comentários

Sempre inovando e publicando diversos temas e gêneros, Lou de Olivier está lançando três livros didáticos e um romance. Confira os detalhes:

São dois títulos em Português, Dislexia e Dislexia Adquirida (como detectar, diferenciar, entender e tratar), Brinquedoteca aliada à aprendizagem e um em Inglês. Perinatal Anoxia (generating Acquired Dyslexia, Acquired Dysgrapia and other learning disturbances). Além destes três importantes temas terapêuticos, Lou, que agora passa a usar o pseudônimo Anna Lou Olivier, também está lançando um romance de ficção científica.

Apesar de pesquisas bem desenvolvidas em diversos países, ainda há uma grande dificuldade em entender, diferenciar e tratar a Dislexia no Brasil. Em vista disso, Anna Lou Olivier mantém dois sites sobre o tema e tem publicado, desde 1997 até a atualidade, diversos livros impressos, artigos em jornais e revistas e até dossiês em revistas especializadas como Psique Ciência e Vida. Durante muitos anos, Anna Lou Olivier também apresentou-se em TV abordando Dislexia e outros distúrbios de aprendizagem e de comportamento. Em linguagem objetiva e sucinta, a autora tem sempre trazido informações precisas em suas publicações. Este novo livro aborda, de forma aprofundada, mas de simples compreensão, o que é Dislexia, o que parece mas não é Dislexia, como detectar, diferenciar, entender e tratar, como o professor e os pais devem agir com o aluno/filho disléxico. Enfim, é mais um guia indispensável a todos que atuam com Saúde e Educação. A princípio, está disponível em formato digital (e-book) e pode ser adquirido com exclusividade no site Amazon, neste link: http://amzn.to/2hcNqgs

Brinquedoteca aliada à Aprendizagem. Este é o título e tema do segundo lançamento didático de Anna Lou Olivier, Na verdade, trata-se de um relançamento, pois este texto faz parte do curso com o mesmo título que foi ministrado por Anna Lou em parceria com o Portal Aprendaki no período entre 2007 e 2009 e, após o término da plataforma EAD do curso, passou a ser ofertado como brinde em formato e-book. Este relançamento traz o texto revisado, atualizado e muito informativo ensinando desde O que é brinquedoteca. Principais funções da brinquedoteca, do brinquedo e do (ato de) brincar até como alfabetizar crianças usando brinquedos, brincadeiras e jogos. Destaque também para o tema como estimular as 8 fases de inteligência e atividades de Teatro de marionetes e de fantoches dentro da Brinquedoteca. Atenção! Este livro só é disponibilizado na versão impressa e vem dos Estados Unidos, ao fazer seu pedido, verifique o prazo de entrega e o frete.

Saiba mais sobre este livro, acessando: http://amzn.to/2ia8KCC

O terceiro lançamento, também é um relançamento. O tema, que foi inicialmente pesquisado por Anna Lou em 1996, já foi lançado em TCC, na sequência publicado em sites científicos. Em 2000, Anna Lou publicou um resumo do tema no artigo “Anoxia perinatal, minutos que decidem uma vida”. Em 2013 este conteúdo virou tema de um Dossiê publicado pela Revista Psique Ciência e Vida sob título Momentos que podem definir uma vida” abordando Anoxia Perinatal e Dislexia Adquirida em 18 páginas, na edição 90 da revista. Em 2015, o artigo sobre anoxia foi republicado em jornais e portais. Em 2016, com a participação de Anna Lou como oradora online no Congresso Internacional Psicólogos Clínicos Globais, o tema voltou à publicações. Atualmente está publicado em Inglês pelo International Journal of Neuroscience and Behavior Studies para comunidade científica e o mesmo texto, também em Inglês, mas em linguagem mais acessível, está disponibilizado neste e-book para pais e professores. Vale a pena conferir este e-book com um tema tão importante que desperta interesse há vinte anos.

Ele pode ser acessado neste link: http://amzn.to/2yNjm4P

Quem se interessa também por romances, pode ler mais sobre o lançamento de Anna Lou Olivier. Um romance de ficção científica que promete revolucionar as previsões para o fim do mundo, clique aqui.

Assista ao vídeo de lançamentos a seguir.

Romance de Lou de Olivier é notícia Agência Globo e SP Times

20 de outubro de 2017 Deixe um comentário

Novo romance de Anna Lou Olivier é notícia em 58 portais, destacando-se: Agência o Globo e The São Paulo Times.

(Leia clicando nos links)

Portal Agencia Globo romance Anna Lou

 

 

Novo romance de Lou de Olivier, polêmico até no título _ The São Paulo Times

%d blogueiros gostam disto: