Em setembro de 2018, eu acabara de voltar de palestras no exterior, incluindo Harvard Medical School. Estava no auge da carreira, mas me vi obrigada a largar tudo para engajar 24 horas por dia na campanha de Bolsonaro. Era a única forma de salvar o Brasil da corrupção e fazê-lo voltar a progredir. A única esperança era eleger Bolsonaro, já que todos os outros candidatos estavam no mesmo barco, atolados em corrupção e aparelhamentos. Agora surge o caso Bebianno que precisa ser elucidado. Se de fato ele é um traidor envolvido com deputados “laranjas” ou tudo não passa de intriga da oposição, comandada por esta mídia corrompida. Explico a seguir.

Gustavo Bebianno Foto Wikipedia

Assim que decidi me envolver na campanha do Bolsonaro, contatei o Bebianno e os filhos do Bolsonaro, Carlos e Eduardo. Me apresentei e ofereci assessoria gratuita, inclusive citei que, na primeira oportunidade, gostaria de falar pessoalmente com o capitão ou algum assessor dele pois eu tinha informações preciosas a passar. O Bebianno não me respondeu, a mensagem que enviei para o Carlos voltou como destinatário desconhecido. A mensagem que enviei para o Eduardo acusou ter sido lida, mas pouco depois fui bloqueada. Na sequência, recebi mensagem de um amigo para adicionar o Flávio no WhatsApp, porém, tão logo o adicionei, também fui bloqueada. Comecei a achar tudo isso muito estranho e pensei que ou eles não queriam contato com ninguém ou alguém da equipe poderia interceptar as mensagens.

Mesmo sem obter resposta, continuei e intensifiquei a campanha, usei meios como WebTV, Programa TV Tudo, meus canais de internet e até transformei meu blog em um blog político para publicar e divulgar diariamente os principais temas, Fui chamada de “Bolsominion”, fascista, mentirosa e toda aquela ladainha que enfrentamos, inclusive perdendo amigos e contatos e, com franqueza, esperava bem mais do governo Bolsonaro em relação a mídia e seus esquemas de jabás e fake news.

Entendo que está no poder há menos de dois meses, recém-operado e são muitos os contratempos, mas, de imediato, se Bolsonaro cumprisse o que prometeu em relação aos grupos Folha, Globo e Cia, este impasse em público com o Bebianno não ocorreria. Esperava que, neste momento, a Globo já tivesse sua concessão cassada e o grupo Folha estivesse, no mínimo, respondendo um bom processo por calúnia e difamação. No entanto, até hoje, continuam publicando o que querem e Bolsonaro segue se justificando pelas redes sociais ou em telejornais da Record ou SBT. Desta forma, parece que tudo continuará durante os quatro anos de mandato, como sempre foi antes.

As manchetes deveriam ser relacionadas ao avanço na reforma da Previdência, a transferência de chefões da máfia para presídios de segurança máxima (federais), acordo formal para dar início a investigações no setor Educação que foi feito em reunião entre o Professor Velez e os Ministros Sérgio Moro (Justiça), Wagner Rosário (CGU) e André Mendonça (AGU), com a presença do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. E outras manchetes e reportagens importantes que deveriam ser divulgadas pela mídia neste momento.

No entanto, algumas manchetes destes lixos midiáticos citam:

Crise entre Bebbiano e Bolsonaro tem origem em suposta candidata laranja;

Bebianno é um homem-bomba;

Reportagem do último domingo da Folha de S.Paulo mostrou que o PSL repassou R$ 400 mil a Maria de Lourdes Paixão, 68 anos, candidata a deputada federal de Pernambuco que recebeu 274 votos, quatro dias antes da eleição…

Carlos Bolsonaro Foto Internet

As reais acusações a Bebianno parecem ser:

Vazamento de áudios da presidência (informações privadas), marcação de reuniões com representações contrárias ao presidente, mentiras visando vender influência. Além disso, segundo se afirma, Bebianno é amigo de Paulo Marinho, que é ligado aos petistas, amigão de José Dirceu, que se filiou ao PSL e mesmo a contragosto de Flávio Bolsonaro, foi colocado como 1º suplente do Senador. Neste ponto a alegação fica meio estranha, já que Bolsonaro chegou a gravar diversos vídeos durante sua campanha utilizando a casa de Paulo Marinho. Naquela ocasião, ele não sabia do envolvimento de Marinho com a esquerda?

Outras acusações apontam para Assessores alegando que Bebianno manobrou para que o Bolsonaro se afastasse dos Patriotas e que o “jogou” no PSL de Luciano Bivar, com isso passou a ser o Presidente interino do PSL durante a campanha de Bolsonaro. Bebianno ainda é acusado de cuidar pessoalmente do dinheiro do partido e de ser encarregado das candidaturas estaduais, tendo prejudicado muitas pessoas aliando-se a Julian Lemos (?). Quanto a Julian Lemos, o maior atrito se deu em dezembro de 2018 quando Carlos Bolsonaro escreveu nas redes: “Julian Lemos, a pessoa que tem se colocado como coordenador de Bolsonaro no Nordeste não é nunca foi! Detalhes creio que todos sabem”. Julian Lemos apresentou um vídeo em que Bolsonaro o cita como representante dele, ao que Carlos respondeu que era um vídeo antigo. Não localizei nenhum outro atrito ou motivo que justifique usar a associação de Bebianno a Lemos como algo que o desabone.

Mas voltando ao principal tema, diante de muitas reclamações contra Bebianno, Carlos Bolsonaro passou a investigar de perto observando as manobras que o Bebianno fazia para afastar os aliados do pai dentro do partido. Tudo explodiu com a alegação de Bebianno que tinham conversado por WhatsApp e Carlos postou nas redes uma mensagem desmentido Bebianno, inclusive com um áudio em que Bolsonaro se nega falar com Bebianno.

De fato, são acusações bem graves, se confirmadas, justificariam sim uma exoneração. Mas a questão que se levanta é: Havia necessidade de se expor tudo isso da forma como se fez? Não havia uma forma de reunir todos os interessados, discutir e decidir isso de forma mais privativa e só anunciar a decisão depois de chegar a um acordo amigável? Seria bem mais prudente e menos desgastante para todos, inclusive para o povo e para o Brasil. Da forma como se desenrolaram as cenas, criaram um grande atrito, deram um prato cheio para a mídia corrompida que já está até afirmando que o áudio apresentado por Carlos Bolsonaro foi gravado “no ano passado”.

Outro detalhe importante que precisa ser respeitado. Carlos Bolsonaro foi eleito Vereador pelo Rio de Janeiro, deve se ocupar disso e não ficar dando recado da Presidência. Bolsonaro é quem deve fazer seus comunicados, como aliás, continua fazendo pelas redes sociais. E ter seus encarregados e Assessores de Imprensa para divulgar oficialmente suas decisões. Bolsonaro precisa perceber que a campanha terminou, agora ele é Presidente, precisa agir como tal. Invés de ficar justificando a mídia e suas fakenews, cumpra suas promessas, retire mesmo toda a verba destes veículos e mais, mova ações contra eles, no caso da Globo justifica até cassação de concessão.

O presidente Jair Bolsonaro dá posse à equipe ministerial no Palácio do Planalto…Participam:.presidente da República, Jair Bolsonaro.ministro da Secretaria-Geral da Presidência, .Gustavo Bebianno…Foto: Roque de Sá/Agência Senado

E, como brasileira que espera que o Brasil, de fato, se livre de tanta corrupção e possa seguir em crescimento e progresso, preciso citar algo que noto, até mesmo como Terapeuta. Bolsonaro pode até ter alguns desafetos e alguns aliados que, no fundo, querem derrubá-lo, mas o filho, Carlos, se porta de forma super-protetora e corre o risco de ser ele a afastar o pai dos principais aliados. As acusações a Lemos, por exemplo, parecem infundadas e sem sentido na prática. A divulgação do áudio de Bolsonaro se recusando a falar com Bebianno, foi desnecessária. Tudo poderia ser definido entre eles e apenas se comunicar a decisão final. Há uma necessidade exagerada de mostrar que o pai não tem envolvimento com nada ilícito e qualquer pessoa que possa ameaçar esta idoneidade tem que ser exposta e atacada. Se Bolsonaro é, de fato, honesto, e tudo leva a crer que é, não há necessidade de provar nada. Atitudes como a de Carlos desencadeiam uma desnecessária histeria coletiva. Já há pessoas comentando que a próxima a cair será Joice Hasselmann, enquanto isso, Janaína Paschoal faz posts indagando o porquê da exoneração de Bebianno, como se nada soubesse (ou será que não sabe nada mesmo?), Ministra Damares é vista como uma lunática, entre outros integrantes problemáticos. Acusações que se acumulam pela Internet inclusive a respeito do atentado ao Bolsonaro e parece que não estão sendo investigadas. Além disso, o PSL está desorganizado e agora com a queda de Bebianno pode se desorganizar de vez. Tudo isso aliado a fome desesperada da mídia esquerdista em buscar algo para denegrir a imagem e até derrubar Bolsonaro, traz aos brasileiros acordados uma preocupação a mais. Afinal, não bastam todos os problemas que o Brasil enfrenta e precisa resolver com urgência, tem que ter disputa cibernética em algo que todos que tem bom senso concordam, deveria ser discutido entre o presidente e sua equipe e ao público interessaria apenas a decisão final.

Como administrar e vencer o caos. Saiba mais, clique aqui

A seguir alguns vídeos de renomados jornalistas que concordam com o que escrevo aqui. Marco Antonio Villa, Alexandre Garcia entre outros comentam que roupa suja, se lava em casa mesmo! Há também um vídeo do canal Giro de Notícias que explica em detalhes e defende a atitude de Carlos Bolsonaro. Como pretendo que meu blog seja isento, sem pender a nenhum lado, inclui este vídeo também.

Aproveite e conheça meu livro digital “Como administrar e vencer o caos” bem propício este tema. (toda a renda da venda deste e-book é doada a cuidadores de animais recolhidos das ruas)

Leia mais:  https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/12/carlos-bolsonaro-julian-lemos-farpas.html