Assista este tema em vídeo ou, se preferir, role a tela e leia o artigo mais completo. Se tiver tempo leia o artigo e assista ao vídeo e tire suas conclusões:

Mais médicos ou melhores médicos??? E, afinal, o que os pseudomédicos cubanos estão levando do Brasil?

Pretendo fazer um breve artigo sobre este tema, até porque já o abordei, recentemente. Desde que Bolsonaro anunciou que haveria exame para revalidar diploma dos médicos cubanos, houve um rebuliço que, logo, culminou na saída destes cubanos do Brasil. Disseram até que Bolsonaro os ameaçou e isso justificaria a saída repentina. A partir daí, como sempre, as opiniões se dividiram. Os que defendem e os que acusam Bolsonaro, mas, em meio a este impasse, o que devemos perceber?

Vem comigo e vou te mostrar:

O esquema Mais Médicos se iniciou em 2013, intercambiado por Dilma Roussef e, com a desculpa de que não tínhamos médicos suficientes aqui no Brasil. Ocorre que temos sim, inúmeros médicos, alguns nem tão bem preparados, como já citei em outro artigo. Mas há até médicos demais no Brasil.

O que ocorreu com estes pseudomédicos vindos de Cuba, é que a maioria é de outras áreas de saúde e, pior ainda, espiões que ganharam diploma de médicos para entrar no país e agir à vontade. Apesar de o CFM alegar que foi contra, desde o início, não se teve notícia de movimentos contrários a esta implantação de Cuba no Brasil. Por uma mídia corrompida e por diversos fatores, esta invasão passou despercebida.

Agora, cinco anos depois, Cuba anuncia que retirará seus “médicos”, aliás, já começou a retirá-los do Brasil. A mídia corrompida anuncia que os pobres ficaram sem médicos, os que acreditam na mídia engrossam o coro. De outro lado, os pró Bolsonaro anunciam que ele (Bolsonaro) fez o correto, pois estava propondo trazer as famílias dos médicos para o Brasil, pagar o salário integral a eles (porque os médicos recebiam apenas 30% por cento e o restante do salário sustentava a ditadura cubana) e revalidar diplomas. De fato, é o correto. Mas o que pegou, já especifiquei, foi a revalidação de diplomas que pegaria todos os espiões e os falsos médicos. Por isso, iniciaram uma saída repentina do país e, pelo que se percebe, cada um leva o máximo de eletroeletrônicos que consegue carregar. Já não chega tudo que levaram do Brasil para Cuba, ainda levam o máximo que podem carregar. E NINGUÉM TOMA UMA ATITUDE.

E qual atitude deveria ser tomada?

A saída repentina deles, levando muitos equipamentos, eletroeletrônicos (e, acima de tudo, levando muita informação privilegiada do Brasil para Cuba) deveria ser barrada porque, saindo às pressas eles estão escapando de uma CPI que deveria existir. Estou pasma porque ninguém nem do atual nem do próximo governo falou nada nem tomou nenhuma providência… Está grave a situação.

Se não fossem alguns poucos jornalistas investigativos, que anunciaram o que, de fato, está ocorrendo, o povo nem saberia da saída deles. Investigação é uma coisa, não duvido que a polícia esteja investigando, mas evasão de divisas é outra. Levando em conta que a polícia só pode agir dentro do território brasileiro, depois que saírem daqui (e alguns já saíram) estarão sob responsabilidade de Cuba. E todo o comando está vindo de Cuba para retirá-los daqui. A PF teria que agir ANTES da saída deles. O Presidente da República, que por sinal, comanda as forças armadas e o Ministério da Justiça teria que dar ordem para reter estes impostores e até mesmo prendê-los. Porém, o Temer faz parte do bando e o Bolsonaro, não entendi porque não se manifestou neste sentido.

De um lado, esquerdistas, ficam anunciando que o Bolsonaro expulsou os pobres médicos daqui, por outro, os da direita, anunciam que as vagas já foram preenchidas por médicos brasileiros. Bolsonaro faz declarações preocupadíssimo com o salário e bem-estar dos médicos. Mas ninguém age para impedir a saída, para colher as informações e equipamentos que eles estão levando. E só como curiosidade, há dois anos eu recebi convite para palestrar em congresso psicológico na Malásia. Gostaram tanto dos meus temas e pesquisas que passei a receber diversos convites para palestras internacionais. Só que, no exterior, eles te convidam, te enviam uma carta convite e você tem que se virar pra arranjar passagens, estadia, etc. Para eles é fácil chegar em qualquer empresa com uma carta convite e conseguir toda a verba, afinal, estão levando a ciência do país para o exterior. Aqui eu só consegui alguns “parabéns” e inúmeros “sinto muito” porque a verba já estava comprometida com esportistas ou artistas, não sobra nunca pra ciência. Resultado, banquei todas as despesas de viagem e apresentações em 3 congressos médicos, um inclusive, em Harvard. Até hoje estou pagando o financiamento e ainda voltei doente porque, por ser vegana, não encontrei comida nem frutas, enfim, foi um caos. Antes de viajar, pedi ajuda a PF, ao Ministério de Ciência e Tecnologia, ao consulado. Por sinal, o consulado respondeu que não cuida deste tipo de problema, pelo que entendi, eles visitam os presos, dão apoio aos refugiados, mas uma cientista que precisa de ajuda, que se exploda.

Diante de tudo isso, percebe-se que o Brasil lá fora, não tem respeito nem mesmo pelos brasileiros que deveriam colaborar. No entanto, aqui se pode entrar com diploma falsificado, espionar bastante e depois sair levando informações e eletroeletrônicos que ninguém fará nada. Eu votei no Bolsonaro, eu fiz campanha pra elegê-lo mas eu não sou teleguiada e estou acordada. Se o temer não toma uma atitude, Bolsonaro precisava tomar, agir e impedir esta sangria que se intensificou com a saída destes pseudomédicos cubanos.

Enquanto ninguém tomar uma atitude, só posso fazer uma triste comparação: Está parecendo troca de turno em hospital de periferia. No intervalo em que uma equipe já saiu e a outra ainda não entrou, os pacientes morrem à míngua. Porém, a presença dos médicos também não diz muito, já que a qualidade está aquém… O programa deveria se chamar “Melhores Médicos”, mais qualificados. Antes poucos e bem preparados do que muitos que mal sabem distinguir entorse de pé quebrado (como já ocorreu comigo). Investir na qualidade e não na quantidade deveria ser prioridade. Até rimou, ao menos no papel…